GRI RIO analisa desafios do município nas áreas de infraestrutura e imobiliária

GRI Magazine Infrastructure Brazil


Marino Mário participou no dia 1º de setembro, do GRI Rio. O encontro debateu grandes desafios da cidade relativos aos dois setores, com destaque para os caminhos a seguir no pós-Olimpíadas, tema do talk show de abertura. Realizado no Porto Corporate Tower, empreendimento da Tishman Speyer no Porto Maravilha, o encontro tratou também de oportunidades nessa região da cidade que foi recém-revitalizada; questões que devem direcionar o planejamento urbano do município nos próximos anos; investimentos relacionados ao Arco Metropolitano e às possibilidades logísticas que envolve; alternativas para o mercado hoteleiro carioca; e a tendência de empreendimentos imobiliários mixed-use. 

De Outubro de 2009, quando foi escolhido como sede das Olimpíadas e Paralimpíadas de 2016, até a realização do jogos, em agosto e setembro últimos, o Rio de Janeiro passou por muitas transformações que extrapolaram a criação de arenas esportivas e proporcionaram melhorias em infraestrutura de transportes e mobilidade, avanços em saneamento e a revitalização da região portuária e do centro histórico, do orçamento de R$ 39,07 bilhões estipulado para os preparativos, dois terços (R$ 24,6 bilhões) foram separados para as iniciativas que consistiriam um legado à cidade. 

Terminadas as competições e concluído o ciclo de sete anos de investimentos, a percepção comum entre o setor público e o privado é de que o município viveu um progresso em infraestrutura como não via há décadas. Ainda há muito a se fazer, mas as novas condições parecem ser suficientes para ajudar a induzir a sustentar uma nova etapa de desenvolvimento socioeconômico local.

O município ganhou cerca de 200 Km de BRTs, VLT, expansão de metrô, obras viárias, urbanização de áreas degradadas e reservatórios para combater alagamentos recorrentes, para citar alguns exemplos-e, vale lembrar, com maciça participação do empresariado, que entrou com equivalente a 57% do total dos recursos aportados.

Porto Maravilha

retha

Uma das grandes heranças resultantes desse processo é o Porto Maravilha, projeto concebido para promover a recuperação da infraestrutura urbana, de transportes, meio ambiente e dos patrimônios histórico e cultural da região portuária. Via contrato de Parceria Público-Privada que se entende até 2026, a Concessionária Porto Novo (Odebrecht Infraestrutura, OAS e Carioca Engenharia) assumiu a tarefa de executar obras - tais como construção e renovação das redes de água, saneamento, energia e iluminação pública, demolição do Elevado da Perimetral, e revitalização e implantação de vias e prestar serviços públicos municipais.